FacebookInstagramVimeo
Joana Braga
CAT FIGHT

A coleção "cat fight” inspira-se em paradoxos de questões de género corporais estabelecidas pela sociedade, sendo o foco principal - o corpo feminino. O corpo feminino, obra de estudo de vários artistas, transmite uma ideia de mistério que pode ser entendida como algo bruto ou belo e, bruto e belo.

Mulheres de todas as idades, pesos e passados competem numa batalha carnal, sem limitações de regras e de total domínio, capturadas em Berlim, aos olhos da fotógrafa Katarzyna Mazur. A prova de unidade e força são motivações chave, sendo o corpo o "objeto” integral das imagens violentas e cruas, vestidas de lingerie, a preto e branco. A ideia de um aspeto físico perfeccionista e um anseio psicológico pela confiança e domínio são associadas raramente à feminidade, explorado não só no "Fight Club Berlin” mas também nas obras de Paula Rego e Jenny Seville.

Atitude, e corpos violentamente volumosos sugerem ou implicam o elemento masculino, sem o mostrar, tratando-se apenas da "visão da mulher e a mulher ela mesma”, relacionando-se com ideias de poder, sujeição e de sedução.
No reverso da medalha, uma série fotográfica de Laurence Philomene, retrata o equilíbrio e harmonia do poder entre o feminino e o masculino, explorando a identidade andrógina e o reforço da noção de masculinidade, com o uso de elementos femininos - desequilíbrio de poder entre as discussões de género. Resultando em fotografias que procuram transformar a masculinidade num objeto, assim como a feminidade tem vindo a ser retratada.
Imagens graficamente limpas, de homens com lingerie, inspiram a coleção numa basta exploração de elementos femininos de roupa interior, em peças como cintas, soutiens e vestidos de noite.

As questões de identidade e força, peso e corpos nus misturados uns sobre os outros, materializam-se com a força das peças-chave exteriores de grandes dimensões, num material opaco mas moldável, que esconde e contrasta com a suavidade íntima, dos materiais de lingerie. Peças fluídas, a contornar o corpo com transparências. A obesidade dos corpos e a brutalidade dos pesos, são explorados como sacos e volumes aleatórios, presos com cordões que transmitem a ideia de luta interior, uma capa à intimidade, que nesta coleção é revelada e relevante.
As peças chave masculinas, tratam-se de peças justas ao corpo em material transparente, que cria um paradoxo entre o feminino e dedicado e o masculino, materializado nas grandes dimensões das peças inferior (calças e calções).