FacebookInstagramVimeo
Rita Sá
OUT OF SERVICE

"Out of Service” retrata a história de uma personagem com uma atitude passiva e comodista: um miúdo cuja imagem exterior é construída de forma a parecer perfeita, e que no decorrer da história, sendo exposto a uma série de situações inusitadas e caricatas com as quais tem de lidar sozinho, se perde na sua imaginação e desconstroi a sua aparência.
Aborrecido. Sai da escola e caminha para a paragem. Senta-se, porque o autocarro ainda vai levar tempo. Nisto, começa a chover, faz vento. 
Lá se vai o casaco.
Acanha-se no banco para dar lugar a pessoas que vão chegando. Observa. A sua visão imatura e interrogativa fá-lo questionar com alguma névoa sobre aquilo que o rodeia. 
Mas para que é que ela quer esta coisa? 
Sem mais que fazer enquanto espera, começa a debater-se sobre a funcionalidade das coisas pelas quais as pessoas se fazem acompanhar, imaginando e simulando possíveis utilidades.
Para que será que isto serve?
Enquanto na realidade mantém um certo distanciamento, na sua imaginação envolve-se com ambiente em redor, testando ingenuamente sobre as peças que vestia originalmente os novos elementos acrescentados pela informação que absorve de quem vai chegando. 
A silhueta original, que representa uma imagem perfeita e simétrica, desconstroi-se gradualmente em sentido decrescente, sinónimo do estado de aborrecimento que aparenta exteriormente, contrastando com a confusão instalada na sua imaginação, caracterizada pelo acréscimo gradual de novos elementos tais como a tapeçaria e as referências aos tradicionais aventais. Elementos que duma perspetiva imatura parecem não fazer sentido algum.
Finalmente parece vir aí o autocarro. Como? Está fora de serviço.