FacebookInstagramVimeo
Nuno Miguel Ramos
Ride

"...AND WHEN I’M AT WAR WITH MYSELF - I RIDE. I JUST RIDE.” - ELISABETH GRANT

"YOU DONT HAVE TO BE BORN BEAUTIFUL TO BE WILDLY ATTRACTIVE” - DIANA VREELAND

Ultimamente na situação em que vivemos, foi complicado comunicar, foi complicado abraçar. Foi complicado... Com a liberdade condicionada foram muitas a vezes que entrei em modo "desespero”! Medo? Talvez... Mas arranjei uma solução. Quando sentia que precisava muito de estar em controlo absoluto de mim e da minha vida, ia alugar um carro por 24 horas e tirava um dia de folga. Andei as voltas no Porto, para cima pra baixo, das Antas até a Foz, ir e vir, três, quatro, cinco, dez vezes. Foi e vai para sempre ser a minha terapia. Conduzir sem destino. Imaginando as peças que queria fazer, imaginando o movimento. Imaginando os abraços e lagrimas depois de estar tudo feito... Imaginando voltar ao normal.

A foto que nunca me saiu da cabeça foi a daquela rapariga. Parada dentro do carro. Um olhar para trás. Um ultimo olhar antes de seguir em frente, só em frente e para sempre. Um olhar firme. Um ciclo concluído. O calmo antes da tempestade. A certeza de que finalmente esta a fazer a coisa certa. Para ela. Para mim. Um ir para sempre.

O apossematismo descreve uma série de adaptações antipredação em que uma aparência visual serve como sinal de alerta sobre a inapetência aos potenciais predadores. Padrões de coloração, formatos corporais ou sons que informam aos inimigos naturais o potencial de defesa da presa.

É tudo uma questão de "proteger” a pessoa que usa as minhas peças. Formas, volumes, cores, texturas, materiais. Uma "armadura”. Respeito. Confiança.

Fiz uma colaboração com IOLO. O IOLO é um negócio social que pretende manter viva a técnica de tapeçaria bordada em ponto de arraiolos, através da inserção social de pessoas em situação de vulnerabilidade e do design como ferramenta de inovação. Desafiei-os para criarmos uma mala. É um negócio social e não financeiro. Todos os lucros são reinvestidos na cadeira de valor social e distribuídos de maneira justa aos ilustradores e artesãos.

Depois e para sempre, falta-me Paris. Falta-me a festa de quinta a noite no Castel. Falta-me o por do sol impressionista. Falta-me o nascer do sol nas escadas de Montmartre. Falta-me o cheiro a Eau de Parfum nas ruas.

Um grande Obrigado à Filomena, Claudius, Daniel, Mãe, Kika, Eduarda, La Marie, Pedro Fonseca, Shoes e a toda minha familia.

Love
N


Galeria de Imagens