FacebookTwitterInstagramVimeoPinterest
Farfetch, a unicórnio que não é um mito
Farfetch, a unicórnio que não é um mito
A primeira startup unicórnio made in Portugal e a mais internacional plataforma de e-commerce ligada ao setor da moda acaba de atrair novos investidores para o promissor negócio. Temasek, IDG Capital Partners e Eurazeo elevam o capital da Farfetch em cerca de 90 milhões de euros.

A corrida pela captação de investimento das plataformas e-commerce que operam na fashion industry tem assistido a episódios dignos de registo. O mais recente caso paradigmático refere-se ao investimento de um trio de financiadores que vai dotar a unicórnio portuguesa Farfetch de mais 110 milhões de dólares para a expansão da rede de negócios, de acordo com a notícia avançada em exclusivo pelo site BoF – The Business of Fashion.
Já em outubro de 2015 a Farfetch tinha fechado uma ronda de investimento de cerca de 76 milhões de euros, como recordamos nesta notícia do Observador.

Torna-se assim evidente o interesse global pela escalada do revolucionário projeto de comércio online com raiz portuguesa, sendo que desta feita dois terços do investimento granjeado provêm do mercado asiático, dado que a Temasek é uma holding com sede em Singapura e a IDG Capital Partners tem sede na China. Facto que o próprio CEO da Farfetch, José Neves, ressalva: "O continente asiático representa 26% do total das nossas vendas. Ou seja, um em cada quatro produtos que comercializamos viaja para este mercado”. De fora desta equação, fica apenas a terceira investidora – a Eurazeo, uma sociedade de financiadores europeus que opera a partir de Paris.

Sobre a Farfetch

Nasceu em 2008 no norte de Portugal, mais propriamente em Leça do Balio, e rapidamente galgou fronteiras graças ao seu crescimento exponencial. Com sede atual em Londres (embora toda a tecnologia continue a ser desenvolvida em solo lusitano), a Farfetch é fruto da vontade empreendedora de José Neves. Em apenas oito anos de existência granjeou cerca de 305 milhões de dólares em investimento, oriundos das principais business angels e capital ventures mundiais.

O conceito e elemento diferenciador do negócio reside na estreita parceria estabelecida com as mais luxuosas boutiques de moda do mundo, que atualmente abrangem uma rede superior a 300 lojas multimarca presentes em cerca de 180 países. A loja cede os produtos (peças de roupa ou acessórios de luxo) que pretende ver comercializados pela plataforma online, cabendo à equipa Farfetch organizar as respetivas sessões fotográficas, catalogação e posterior venda e entrega dos produtos com a assinatura de designers consagrados (Alexander McQueen, Dolce & Gabbana, Isabel Marant, Stella McCartney e Marc Jacobs são algumas das marcas que pode encontrar no site).

A primeira startup unicórnio portuguesa – termo aplicado às startups cuja avaliação de mercado ultrapassa os mil milhões de dólares – continua assim em marcha com o seu plano de expansão, pelo que prevê que a atual rede de escritórios (Londres, Porto, Guimarães, Moscovo, Nova Iorque, Los Angeles, Tóquio, Hong Kong, Shangai e São Paulo) seja brevemente alargada.