FacebookTwitterInstagramVimeoPinterest
Pontuação máxima para a moda portuguesa na Eurovisão
Pontuação máxima para a moda portuguesa na Eurovisão
É em nome da música que todos os anos se realiza o Festival Eurovisão da Canção, mas na edição realizada este ano em Portugal, a música esteve longe de ser o único foco de atenções. A moda portuguesa, que ora inspira o universo musical ora se deixa por ele inspirar, esteve em grande destaque durante as duas semanas em que a cidade de Lisboa deu vida ao festival. Criações de designers lusos como Nuno Baltazar, Alves/Gonçalves, Storytailors, Luís Onofre, Carlos Gil, Inês Torcato ou Alexandra Moura desfilaram em diferentes momentos, associadas a diferentes protagonistas, entre os quais a equipa de apresentadoras da RTP, as artistas Cláudia Pascoal e Isaura e outros performers que brilharam no certame.
Fotografia: Andres Putting

No ano em que Portugal é o anfitrião do Festival Eurovisão da Canção, no seguimento da vitória de Salvador Sobral em 2017, não havia como não mostrar o que de melhor se faz por terras lusas; além da música, também a moda subiu ao palco e mostrou à Europa as criações de alguns dos mais consagrados designers nacionais. Depois de passar a integrar a passerelle principal do Portugal Fashion, Inês Torcato deu provas do seu talento ao vestir as representantes portuguesas Cláudia Pascoal e Isaura. Os looks desenvolvidos para a grande final, com silhuetas longas, cores escuras e tecidos aplicados de forma inesperada, apresentaram-se em perfeita sintonia com a canção "O Jardim”. Na verdade, tal como pode ler-se neste artigo da Lux, Inês Torcato deu provas da sua criatividade com peças que foram muito além do expectável: um vestido que é na verdade um trench-coat com uma cauda e um fato desconstruído, tendo como peça principal um blazer pelo joelho com mangas curtas.

Também as apresentadoras Catarina Furtado, Daniela Ruah, Filomena Cautela e Sílvia Alberto foram montra da moda nacional durante os vários eventos das semanas eurovisivas – desde a aclamada Blue Carpet, passando pela semi-finais e culminando na grande final do passado sábado. Catarina Furtado deu vida a vários looks do criador Nuno Baltazar, sendo a elegância e sofisticação o ponto comum entre todos os vestidos desenvolvidos pelo designer.  


Na grande final, Daniela Ruah brilhou, num primeiro momento, com um vestido verde de João Rôlo e, mais tarde, com um longo vestido preto assinado pela dupla Alves/Gonçalves. Na memória ficarão também o icónico smoking desenhado por Carlos Gil e o vestido vermelho da autoria de Luís Carvalho.

Filomena Cautela rendeu-se por completo às criações de Alves/Gonçalves, onde o vermelho aveludado se cruzou com os brilhos ora em tons quentes, ora em efeitos holográficos.


Por fim, Sílvia Alberto encantou-se com a ousadia da dupla Storytailors e o requinte de Carlos Gil, sem esquecer a harmonia de Gio Rodrigues.


E como nenhum visual fica completo sem o devido calçado, foi sobre Luís Onofre que recaiu a responsabilidade de dar o toque final luxuoso no look das quatro apresentadoras. No caso de Catarina Furtado, cumpre também destacar a marca Samelli. 


A designer Alexandra Moura também foi uma das variáveis na equação de moda nacional a que assistimos na Eurovisão. Foi a criadora quem desenhou os uniformes minimalistas de uma das performances da grande final, protagonizada pelos artistas Branko, Plutónio, Sara Tavares, Dino D'Santiago e Mayra Andrade.