FacebookTwitterInstagramVimeoPinterest
Pedro Pedro: um acaso destinado
Pedro Pedro: um acaso destinado
Estreou-se na companhia do Portugal em Fashion em 1998 e é hoje presença assídua na passerelle da celebração da moda nacional, tendo conquistado uma das principais semanas de moda internacionais, a Milano Moda Donna, onde todas as estações surpreende com as suas propostas femininas e arrojadas, valendo-lhe inúmeras referências na imprensa especializada como a Vogue, a Elle e a Collezioni Donna.  No ano em que a marca completa 20 primaveras, o Portugal Fashion  conversa com Pedro Pedro sobre o seu percurso da moda, a essência das suas criações e os objetivos para o futuro. 

Um acaso destinado

O percurso de Pedro Pedro na moda não foi sonhado desde cedo, nem sequer planeado com antecedência. Na verdade, apenas ao findar o 12º ano, numa área que em nada tem a ver com aquela em que hoje se insere, é que o designer se viu a braços com a tarefa de decidir qual seria a sua profissão para o resto da sua vida. "Quando cheguei ao 12º ano, estava na área de Direito e não sabia muito bem por onde havia de ir”, conta Pedro Pedro. Desde pequeno com estudos em pintura e desenho, acabou por experimentar um curso recomendado pelos pais: Design da Moda, na Academia de Moda do Porto, onde tudo começou. "Foi mesmo por acaso. Apesar de gostar do universo da moda, não era uma coisa de que eu me lembrasse de seguir, mas resolvi arriscar e fui logo aceite”. A confirmação de que aquele seria o caminho a seguir veio em 1996, ainda antes de terminar o curso, quando venceu o concurso "New Expo-Wear Designers", com o primeiro coordenado que produziu.

E se assim se lançava profissionalmente aquele que viria a ser um dos principais designers das passerelles portuguesas. Em 1998, o designer criou a marca Pedro Pedro e foi convidado para apresentar as suas coleções no evento Porto de Moda, começando a desfilar no Portugal Fashion pouco tempo depois. Os primeiros passos no circuito da moda estavam dados. Em 2003, o criador conquistou um prémio na competição "I Mode You European Fashion Awards 03” e no ano seguinte juntava-se a Júlio Waterland no lançamento da marca conjunta Pedro Waterland. Mas o Portugal Fashion permitiu que Pedro Pedro desse passos cada vez mais rápidos na afirmação da sua carreira. "É uma montra enorme. O Portugal Fashion tem os olhos postos nas semanas de moda e dá-me a possibilidade de mostrar o que eu faço às pessoas, de fazer chegar as coleções a clientes, lojas e a um universo mais amplo de pessoas que não me conhecem”, afirma o designer.

A afirmação de uma marca que conta histórias

Hoje, Pedro Pedro é uma marca sólida e versátil, feita de instintos e inspirações diferentes de coleção para coleção. Sejam a cor e a liberdade dos anos 80 da coleção SS18, a livre adaptação ao universo de David Lynch da estação SS17 ou o brutalismo, desleixo e anti-glam da temporada FW16-17, as referências para as criações de Pedro Pedro assentam no cinema, na música e em "tudo o que for visual”, fazendo surgir propostas "cool” onde sobressai o formato sportswear. Mas, mais do que trabalhar os seus próprios instintos e tendências, o designer assume-se como um contador de histórias. "Gosto que quando as pessoas vão ver um desfile meu percebam que tudo faz sentido. A música, mais do que o design das peças, a maneira como elas estão juntas, que tipo de rapariga as veste, como é o seu cabelo… mais do que a parte técnica, eu gosto de tocar o lado emocional das pessoas”, afirma.

E o que é certo é que as histórias de Pedro Pedro já se foram contando por várias semanas de moda internacionais. Se chegou a apresentar em Paris nos anos de 2006 e 2007, hoje é Milão a capital da moda onde o designer é presença regular em todas as estações, com o apoio do Portugal Fashion. Mais do que a oportunidade de desfilar num dos mais importantes certames italianos, a Milano Moda Donna representa uma oportunidade de negócio aguçada por concentrar, durante a semana de moda, imprensa especializada e compradores internacionais cujo perfil se ajusta muito ao da marca Pedro Pedro, como de resto comprovam as encomendas recebidas pelo designer na sequência da sua presença no certame White Milano. "A possibilidade de fazer feiras é uma das coisas mais importantes. É o que nos permite continuar e desenvolver a marca”, conta Pedro Pedro, que graças à presença nestes certames, com o apoio do Next Step, projeto que se assume como o braço comercial do Portugal Fashion, conseguiu alargar e consolidar a sua carteira de clientes. "Eu sempre tive uma boa experiência em Milão. O facto de permitirem que pessoas de fora apresentem torna fácil alcançar e conhecer as pessoas certas. Acho que nesta estação vou solidificar ainda mais alguns clientes que já tenho como fixos e tentar angariar ainda mais”, acrescenta. Enquanto percorre aquele que descreve como um caminho evolutivo, Pedro Pedro vê a vertente comercial como aquela que pretende melhorar no futuro da marca. Ter mais pontos de venda, ver mais pessoas na rua a usar as suas criações e crescer no âmbito comercial são alguns dos objetivos que o designer estabelece para cumprir a longo prazo. 

Apesar da ligação profissional à moda ser uma escolha do acaso (ou destino?), Pedro Pedro não se vê a fazer outra coisa. Como conselhos a jovens designers, deixa características que ele próprio incorpora na marca: amor pelo que fazem, perseverança, ter a sua própria voz e uma identidade que os diferencie.