FacebookTwitterInstagramVimeoPinterest
Portugal Fashion soma nova participação na London Fashion Week com Alexandra Moura
Portugal Fashion soma nova participação na London Fashion Week com Alexandra Moura

Será a 20 de fevereiro, na London Fashion Week, que se concretiza a quinta ação internacional do roteiro do Portugal Fashion para o primeiro semestre de 2017. Um duplo regresso para o projeto de moda nacional e para a designer Alexandra Moura, que tem em Londres um dos palcos privilegiados para projetar as suas coleções no mundo. Nesta temporada, as propostas da criadora para a próxima estação fria sobem a passerelle do Banking Hall (14 Cornhill, London EC3V 3ND), um edifício art deco que se encontra no coração da city, às 18h30, do dia 20 de fevereiro. Após a fashion stop na capital britânica, o Portugal Fashion tem novo regresso agendado para Milão, no âmbito da Milano Moda Donna, com a produção dos desfiles dos criadores Carlos Gil e Pedro Pedro, a 26 de fevereiro. A propósito, foi a capital da moda italiana que acolheu a primeira paragem do roteiro internacional para esta temporada, com a estreia do designer Miguel Vieira na Semana de Moda Masculina de Milão.

Recorde-se que, na última edição da Semana de Moda de Londres, Alexandra Moura optou por uma apresentação que não envolveu o tradicional conceito de desfile, tendo na realidade arriscado uma performance disruptiva no bar underground do hotel The London Edition, um happening que contou com a direção artística da Wonderland Magazine. Considerada a semana de moda europeia que mais espelha a cultura urban e o street style, Londres é também capital apetecível para fashion designers provenientes de todo o mundo. Montra de tendências e meca para os profissionais ligados ao setor, a London Fashion Week volta a receber nesta temporada a designer portuguesa Alexandra Moura.

Para o diretor de comunicação do Portugal Fashion, Rafael Alves Rocha, "esta ação é uma evidência clara de que o British Fashion Council reconhece a moda de autor nacional e também um sinal de que o Portugal Fashion está atento à recetividade do design português neste mercado. Certo ainda é que a participação de Alexandra Moura na London Fashion Week tem permitido à criadora alcançar novos mercados internacionais, nomeadamente o asiático, onde inclusive obteve honrosas referências em publicações como a Vogue ou Elle Japan. Um trabalho de promoção de imagem impulsionado pelo projeto de moda nacional, que permitiu, de resto, a comercialização da marca em plataformas como a Open Ceremony Japan”.

"As ações internacionais do Portugal Fashion envolvem sempre uma avaliação fit to the market. Ora, partindo desse pressuposto, fazia todo o sentido que nesta temporada a Alexandra Moura regressasse à passerelle da Semana de Moda de Londres, dando assim continuidade aos negócios que tem concretizado nos bastidores das apresentações”, conclui o mesmo responsável.

"Cá e lá”, o fascínio por culturas distantes

A coleção outono/inverno 2017-18 de Alexandra Moura inspira-se nos descobrimentos portugueses, evocando diretamente a "nostalgia e romantismo que ainda hoje distinguem Portugal no mundo”. Na realidade, algo constante no trabalho da designer, que admite ter um especial "fascínio por culturas distantes, pela identidade e pela História”. Nesta temporada, recua três séculos recuperando um diálogo cultural antigo com as colónias portuguesas em Timor-Leste, num "jogo de opostos” que chega até ao território vizinho da Indonésia.

O ontem e o hoje uniformizam-se, através da desconstrução de peças contemporâneas que "aliam detalhes subtis do traje étnico ao romantismo europeu da época”. Num desfile que será misto, evidenciam-se os têxteis e padrões timorenses e indonésios nas "malhas jacquard com efeito de cerzido”. Na palete de cores, destaque para os tons terrestres dos castanhos e ocres, que se conjugam com os falsos pretos e azuis, propositadamente empregues para evitarem uma imagem demasiado etnográfica.

Nos materiais predominam "o veludo, fazenda de lã, felpa e gabardine” em associação com motivos florais, dando continuidade ao "jogo de manipulações de tecido, essencialmente repuxados e nós”. O objetivo é a criação de uma silhueta híbrida, andrógena, que a par das propostas para Mulher, sirva "um Homem simultaneamente sensorial, cosmopolita e contemporâneo”.

O Portugal Fashion 2015-2017 - um projeto da responsabilidade da ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários, desenvolvido em parceria com a ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal – é financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, com fundos provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.