FacebookTwitterInstagramVimeoPinterest
#portugalfashion40
#portugalfashion40

E assim se celebraram 40 edições de Portugal Fashion: com a concretização de 31 desfiles, que juntaram criações de autor, linhas comerciais, propostas de jovens designers e coleções de calçado, para uma plateia que durante os quatro dias de apresentações reuniu cerca de 30 mil pessoas. Uma estrutura organizativa que envolveu mais de 400 profissionais, entre manequins, assistentes e maquilhadores, e outros profissionais de bastidores, e mais de 300 acreditações concedidas à imprensa, num universo que reuniu cerca de 50 jornalistas provenientes de várias partes do mundo, desde a América Latina, EUA, passando pela Europa e Médio Oriente.

Reconhecendo no line-up do Portugal Fashion um programa diversificado, equilibrado e atrativo, o presidente da ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários, Adelino Costa Matos, congratulou o projeto pelo êxito alcançado. "Foi de facto um privilégio poder assistir à 40.ª edição nacional do Portugal Fashion, depois de uma temporada profícua de desfiles e apresentações dos nossos criadores e marcas nos principais circuitos da moda mundial, como Nova Iorque, Londres, Paris e Milão. A moda portuguesa vive um momento particularmente vibrante, um claro sinal evidenciado pela ocupação total de todos os espaços onde estivemos nesta edição, que reuniu público especializado e não especializado”, constata o responsável.

Em Lisboa, Pedro Pedro inaugurou a passerelle na Cordoaria Nacional

E recebeu uma visita ilustre. O Primeiro-Ministro António Costa surpreendeu com uma breve passagem pelos bastidores do primeiro dia do Portugal Fashion, a 22 de março, acompanhado pela direção da ANJE, entidade organizadora do evento, e sentou-se na primeira fila para assistir ao desfile de Pedro Pedro. Aliás, para o designer esta não foi exatamente uma estreia, pois recentemente apresentou a sua coleção FW17-18 "La mer qu’on voit danser” na Milano Moda Donna, com o apoio do Portugal Fashion.

Seguiu-se o desfile de Alexandra Moura, cujos coordenados mereceram em fevereiro último a observação atenta do público londrino, no âmbito da London Fashion Week. Inspirações das colónias timorenses do século XVIII pautaram uma coleção que intrecruza épocas idas com a contemporaneidade. A dupla Alves/Gonçalves apostou num look "not trendy, but cool”, que envolve a integração de diversos estilos, materiais e volumetrias, onde a vertente urbana esteve em destaque.

A fechar a primeira jornada de desfiles da 40ª edição do Portugal Fashion, o regresso da TM Collection, da designer Teresa Martins. A marca, que tem trilhado um sólido caminho nacional e internacional, apresentou um desfile que incluiu uma performance artística. Na coleção entitulada "Touch”, sobressem as silhuetas orgânicas, soltas, estruturadas e versáteis.

Mas antes mesmo da passerelle do Portugal Fashion 40 ter sido inaugurada na Cordoaria Nacional, o arranque desta edição ficou marcado pela realização de um evento parelelo, com a apresentação da coleção primavera-verão dos Storytailors, seguindo o conceito see now buy now. O espaço escolhido foi a própria loja/atelier da dupla criativa, localizada no centro de Lisboa. Na realidade, à semelhança do que acontece noutros grandes eventos de moda internacionais, o projeto de moda nacional reconhece a necessidade de apoiar outras iniciativas que, integradas no calendário oficial, servem para promover criadores e marcas que, por razões diversas, não podem figurar no programa de desfiles.

No Porto, a moda marcou a cidade durante três dias consecutivos

Depois dos quatro desfiles em Lisboa, o 40.º Portugal Fashion prosseguiu no Porto, a 23 de março, com as propostas dos jovens designers do projeto Bloom, no Palácio dos CTT. Ao Bloom dedicaremos um texto exclusivo.

Na sexta-feira, 24 de março, o dia pode ter amanhecido frio e cinzento, mas a coleção para o próximo outono-inverno que Katty Xiomara apresentou no interior do Centro Português de Fotografia envolveu muita cor. Na realidade, após ter conquistado a Semana de Moda de Nova Iorque com as suas propostas, a designer revelou à audiência portuguesa o lado lunar dos amores impossíveis, com o toque de romantismo que lhe é característico. Antes mesmo do seu desfile iniciar, a criadora inaugurou no mesmo local a exposição "Anatomia do Tempo – Memories Revisited – NIGHT, FASHION & FANTASY”, organizada em conjunto com renomados fotógrafos de moda nacionais.

E no final do desfile Katty Xiomara apoiou ainda o lançamento de um leilão de cariz solidário de uma peça de tapeçaria por si desenhada. Mais do que o simples pano de fundo de um desfile, o tapete foi inspirado na sua coleção "El toro enamorado de la luna" e encerrava uma importante missão: ajudar a Acreditar - Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro.

O quartel-general do evento, a Alfândega do Porto, começou por receber à tarde do terceiro dia da 40ª edição do Portugal Fashion o desfile da marca Pé de Chumbo, da criadora Alexandra Oliveira. Recorde-se que recentemente a Pé de Chumbo integrou o painel de representantes lusos na Altaroma, em conjunto com mais dois jovens designers nacionais, Susana Bettencourt e Estelita Mendonça. Nas sugestões da marca, três temas distintos de cor para diferentes ocasiões, do mais casual, ao mais festivo. Já Anabela Baldaque, designer portuense que participa no certame desde a sua primeira edição, em 1995, propõe uma silhueta feminina boho, que recebe inspirações dos trajes típicos da Índia e Nepal.

Estelita Mendonça apresentou uma coleção interventiva, com uma forte mensagem social e política, de acordo aliás com a sua linha de pensamento enquanto designer. Os materiais aplicados são, na sua maioria, reciclados. "As capas-cobertores são feitas a partir de desperdícios de algodão, geralmente utilizados durante mudanças e renovações de casas, e os sacos-cama são reprocessados [a partir da junção de vários materiais], transmitindo, simultaneamente, a ideia de movimento e de viagem”. Susana Bettencourt reúne nos seus coordenados "quadros de jacquard compostos por texturas, pixelizadas e riscadas, em contraste com uma geometria angular”, consolidando, uma vez mais, a sua mestria nas peças de malha feitas à mão.

Diogo Miranda, que na celebração das 40 edições do Portugal Fashion comemorou também uma década de carreira, inspirou-se na obra do famoso fotógrafo de moda Guy Bourdin para apresentar uma "mulher confiante, sexy e ponderosa”. Volumes exagerados, tafetá de seda, folhos e decotes formam as permissas da sua coleção FW17-18.

O programa do terceiro dia terminou com os aguardados desfiles de Luís Onofre e Carlos Gil. O primeiro apresentou a coleção "Solid Rock”, em que "os sapatos femininos relembram a monumentalidade das catedrais, ao passo que os masculinos inspiram-se na ousadia do rock”. Avultam os metais e pedras Swarovski, bem como correntes, tachas e outros acessórios metálicos dos anos 70. Por seu turno, Carlos Gil, que participou na última edição da Milan Fashion Week, revelou a coleção "Magic Tale”, inspirada no mundo das crianças. O criador reproduz "estampados com motivos infantis depurados e aplicações acrílicas, que se misturam com padrões geométricos”.

Nem o Presidente da República ficou indiferente às tendências apresentadas no Portugal Fashion

O último dia de desfiles do Portugal Fashion 40 principiou no ambiente urbano do parque de estacionamento Silo Auto, engrossando a listagem desta edição de locations inusitadas, e representando igualmente uma maior interação do próprio evento com a cidade. Luís Buchinho e a sua coleção invernosa "This is the sea”, que no primeiro dia de março foi revelada na Paris Fashion Week Prêt-à-Porter, adequou-se ao gélido e ventoso sétimo piso do Silo Auto, numa passerelle naturalmente desenvolvida no asfalto do car parq. Nos coordenados evidencia-se um "esquema de cores, neutro e sóbrio, que vai de preto, argila, azul-marinho e antracite, para um flash de vermelho e branco”. Nos acessórios, destaque para a primeira linha de óculos de sol que o designer lançou em parceria com a Ergovisão.

Embora a visita estivesse apenas programada para os bastidores, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez questão de na passagem pelo 40º Portugal Fashion assistir a um desfile na primeira fila. Coube ao designer Nuno Baltazar receber a figura máxima do Estado português, um convidado de peso que nem por isso intimidou algumas das figuras públicas que desfilaram para o criador, como Jéssica Athayde e Raquel Strada. Incorporando o conceito see now, buy now (tal como os Storytailors fizeram no evento paralelo que decorreu em Lisboa), as peças veraneantes de Nuno Baltazar colheram inspiração no México, mais especificamente na pintora Frida Kahlo. Seguido sempre por uma entourage de jornalistas, o Presidente da República fez um verdadeiro reconhecimento do terreno Portugal Fashion, e para tanto interagiu com os criadores, tirou as habituais selfies com todos aqueles que o interpelaram para o registo, e visitou a instalação Mobil(ize), do designer Júlio Torcato.

Na Sala do Arquivo os desfiles prosseguiram com o jovem designer Hugo Costa, recentemente aplaudido pela crítica nacional e internacional, após a sua apresentação na Semana de Moda Masculina de Paris. O criador inspirou-se nas aventuras do explorador norueguês Roadl Amundsen para desenhar uma coleção de silhuetas oversized em sobretudos compridos, sobreposições e macacões, nos quais predominam o branco, o preto e os azuis. Outra jovem designer, igualmente com um passado associado ao Bloom, Carla Pontes, na sua nova coleção "elimina costuras, realça o conforto, seleciona texturas e toques macios em materiais que privilegiam o algodão e as lãs”. Nas peças, a palete cromática dominante é neutral: pretos, tons de cru, cinzas e azul céu.

A indústria do calçado, que todas as edições nacionais pisa a passerelle do Portugal Fashion, fez-se representar num desfile coletivo, envolvendo marcas que têm dado cartas nos mercados externos, elevando o sapato a objeto de luxo e de culto. Tratam-se da Ambitious, Dkode, Fly London, JJ Heitor Shoes, J. Reinaldo e Nobrand.

De assinalar a estreia no Portugal Fashion de Micaela Oliveira, criadora que apresentou a coleção "Botero”, inspirada no artista colombiano homónimo. É precisamente partindo dessa inspiração que "as silhuetas entregam-se às curvas desenhadas pelos tecidos que cobrem o corpo”, criando sombras estáticas com alguma rigidez.

Em representação da indústria têxtil, a Lion of Porches manteve-se fiel às suas inspirações britânicas, apresentando propostas para homem, mulher e criança, sob o tema "Royal Mountain”. Ana Sousa sugere para o próximo inverno "uma simbiose entre o clássico e o pop, entre o liso e o padrão, entre cores quentes e frias”, voltando a sobressair as silhuetas versáteis, elegantes e femininas. Já na coleção da Dielmar, dirigida a um homem contemporâneo que aprecia o conforto, a Idade do Ouro Holandesa serviu de fonte de inspiração.

A encerrar o 40.º Portugal Fashion o desfile de Miguel Vieira, que viajou em fevereiro até à New York Fashion Week, com o endorsement do Portugal Fashion. Na coleção "Reflexos refletidos”, o criador propõe "para homem, fatos slim estruturados e tailored made, sobretudos casual e calças de corte vincado; para mulher, silhuetas slim, volumes contrastantes, maxi e mini sizes e peças estruturadas, algumas delas oversized”. Tudo isto em cinza escuro, cinza claro, preto, azul-marinho, vermelho e branco marshmellow.

Assim foi o 40º Portugal Fashion: uma autêntica celebração da moda nacional que envolveu mais 15 criadores, seis marcas de vestuário, seis marcas de calçado, e dez jovens designers e uma marca.

Focado no crescimento de um setor da economia portuguesa que move hoje milhares de milhões, o Portugal Fashion baliza as suas próximas ações no quadro internacional da promoção da moda portuguesa, antes mesmo de regressar à edição 41, em outubro, para mais uma vez "potenciar e dinamizar toda a fileira moda nacional, um trabalho contínuo que abraça não só a indústria criativa da moda de autor, mas também as indústrias do têxtil e do calçado”, assim afirma o presidente da ANJE, Adelino Costa Matos.

O Portugal Fashion 2015-2017 - um projeto da responsabilidade da ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários, desenvolvido em parceria com a ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal – é cofinanciado pelo Portugal 2020, no âmbito do Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização – Compete 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. 


* Créditos fotográficos: Louie Thain